50 questions #3 – sobre a inutilidade

3. Se a vida é tão curta, por que fazemos tantas coisas que não gostamos e gostamos de tantas coisas que não fazemos?

Existem as coisas que fazemos porque elas nos completam, existem a que fazemos porque estamos tão completos que elas acabam transbordando. Existem também as coisas que simplesmente fazemos – e tentamos não pensar muito nelas porque é melhor. É que essas nós fazemos porque chegamos num nível de auto-valorização além do limite permitido. Achamos que se não fizermos como manda o roteiro, a falha será certa; o fracasso será merecido. Passamos a acreditar que se estamos aqui, é porque alguém mais inteligente nos colocou aqui, com motivo, destino e tudo mais, e que devemos nos dedicar para mostrar a gratidão do dom da vida, e termos o que é esperado que tenhamos.

Mas vi e ouvi coisas que me fizeram pensar que, talvez, nós fazemos da nossa rotina uma afirmação da nossa importância pra sociedade. Temos que ser úteis. E somos. E há um significado tão concreto em nosso trabalho, porque se não estivermos diariamente, pontualmente, naquele lugar, com aquelas roupas e pessoas, virá o colapso.

Mesmo? Sete bilhões de pessoas no planeta e você é tão indispensável assim? Todas são? Pois se uma sociedade inteira é guiada pela necessidade de fazer seu trabalho valer pela utilidade que ele tem aos outros, chega a ser imoral não fazê-lo. Mas é?

A moda agora, tenho visto aqui a internet, é largar tudo viajar o mundo e fazer o que ama. Muito bem, ótimo. Estou amando que a humanidade tenha chegado num ponto pra questionar a relação vida pessoal – vida profissional, mas me pergunto: Será que daqui a um tempo começaremos a ver empresas quebrando porque seus diretores acharam que a vida era curta demais pra colocar um terninho passar o dia numa salinha? Aposto um pedaço da unha do dedinho direito que não. Aposto que não tem mal nenhum em trabalhar por um ideal, fritando hambúrgueres num trailer ou gravar uns videos ao redor do mundo. No fundo, ninguém é tão importante assim que não possa fazer o que tem vontade, porque a vida é tremendamente inútil.

Anúncios

Um comentário sobre “50 questions #3 – sobre a inutilidade

  1. Pra largar tudo e fazer o que ama vc precisa ter o que largar e juntar alguma grana (pelo menos o suficiente pra chegar a algum lugar e quem sabe mais uma grana pra não passar fome e ter onde ficar). Depois disso você larga tudo, aí fica uma vaga pra alguém preencher. Essa nova pessoa passa um tempo fazendo algo novo, junta uma grana e se começar a pensar e questionar a vida e resolver largar tudo, vaga essa vaga de novo pra próxima pessoa preencher. As pessoas mudam de lugar, mudam de pensamento, mudam de vida, mas as coisas continuam (quase) as mesmas.

    Curtir

comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s