Dias estranhos

Dias como hoje são especificamente estranhos.

Dias como hoje são nostálgicos de tantas formas que desconcertam o coração. São frios como a época que eu vivi a síndrome das noites terríveis, uma doença que talvez não exista e por isso eu mesma tive que dar o nome, e que se assemelha de uma certa forma com a depressão, fazendo as pessoas ficarem aterrorizadas com a incerteza do futuro próximo que é o amanhã, e tem dois sintomas muito claros: uma agonia crônica, que aumenta conforme os minutos se aproximam da escuridão do fim do dia, que faz você perceber que mora dentro de um espiral sem fim de dias e noites; e uma ansiedade angustiante pelo momento do topo da onda chegar, porque apesar de saber que vai chegar, você não pode fazer nada pra apressar as coisas. É como respirar quando o inspirar é profundo e macio e tranquilo, e o expirar seja sufocante e doído. Tudo o que você quer é que os dias existam sem que o tempo passe e seja sempre aquela hora da tarde em que você chega da escola e pode fazer o quiser antes de ter que tomar banho e jantar, antes do terror aparecer, antes de você se prometer que hoje vai ser diferente e hoje você vai suportar porque você sabe que todos os dias são assim e no fim tudo fica bem – mas não fica. Dias como hoje me dão vontade de pegar a criança que eu fui no colo, e abraçar tão apertado que nenhuma de nós ia ter que pensar em alguma coisa.

Mas ainda assim, durante as tardes e as noites em que tudo estava bem, e as manhãs e boa parte do tempo todo, eu provavelmente estava com a cara em algum livro, ou com a cabeça em outro lugar. Crianças têm a vantagem de não serem obrigadas a viver na realidade, e dias como hoje me fazem lembrar do deserto colorido da História Sem Fim, e do Beco Diagonal, e dos irmãos Baudelaire, e da Sininho, que é tão pequena que é incapaz de sentir duas coisas ao mesmo tempo, e então eu acho que devo ser grande demais, porque o calor do Sol de dias como o de hoje me deixam contente. Ainda que triste. Ainda que esteja frio. Ainda que esteja calor.

Ainda que eu não entenda nada de como dias como hoje são tão capazes de interferir no meu humor, é em dias como hoje que, invariavelmente, eu tenho vontade de estar nesse mundo, e fazer alguma coisa, e escrever o que eu sou, e ser todos os dias assim, inspirada.

Anúncios

comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s