The boy who lived (ou sobre reviveres)

Este é um post para se ler ao som de Hedwig’s Theme

IMG_20160505_132404

Das coisas de infância de a gente lembra com carinho, uma, certamente clara, é a do momento que abri o primeiro livro da série Harry Potter, numa época em que nem o 4º livro existia ainda, li a primeira frase e parei. Eu estava no meu quarto e tive que descer as escadas, ir até a cozinha e perguntar pra minha mãe, “Mãe, porque aqui tá agradecendo que o Senhor e a Senhora Dursley gostavam de ser normais?”. A primeira coisa que eu aprendi com Harry Potter (que na verdade a mãe que explicou) é que “muito bem, obrigada” é só um jeito de falar e que eu não devia me preocupar com isso e continuar lendo. Eu continuei. E não preciso nem dizer que a partir daquele momento eu fui, sou e sempre serei, uma Potterhead.

Algumas obras passam a fazer tanto parte de você e a gente mal sabe, mas Harry Potter tem pra mim, e tem pra muita gente (um beijo no coração de todos vocês que entendem), uma grande parcela de influencia sobre o que sou. Tantas crianças que aprenderam a gostar de ler, e tantas pessoas que se identificaram com tantos personagens de alguma forma, e tanta gente que aprendeu a encontrar a luz na escuridão e se inspirou em algum momento, e tantos outros se encontraram em um mundo que ninguém te perguntou se é verdadeiro ou não porque não importa, Hogwarts vai ser sempre o melhor lugar do mundo. E não importa onde você esteja, enquanto tiver alguém que gosta tanto quanto você da história (e não é difícil encontrar) você terá um amigo.

Os filmes eu sei de cor, mas precisava ler de novo os livros. É que não seria a mesma coisa, reviver uma história que já se sabe o final, conhecer de novo personagens que já viu morrer, entender metáforas e situações que antes você ignorou e que talvez mude muito a forma de você perceber a história. E se não for tão mágico assim? Eis que depois de, o que?, 10 anos, muita enrolação, e vários tweets lindos da tia Jo, chegou o dia em que nada parecia mais certo do que abrir o livro pela segunda vez e voltar aos meus 9 anos de idade. E já estou rindo a cada frase igual uma garotinha rica contando suas bonecas. Em outro tipo de livro, em outro idioma, em outra eu, é diferente mas é igualzinho.

Pois então esperem por muitos posts meio-mágicos-meio-trouxas, surgindo entre um capítulo e outro se eu conseguir largar um pouco o livro, muito bem, obrigada.

Anúncios

comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s